Última hora

PJ deteve jovem por ter arma usada em tentativa de homicídio em agosto na Póvoa de Varzim

23 Setembro 2020
PJ deteve jovem por ter arma usada em tentativa de homicídio em agosto na Póvoa de Varzim
Local
0

A Polícia Judiciária (PJ) deteve hoje um jovem pela posse de uma arma proibida que terá sido usada numa tentativa de homicídio ocorrida em agosto, na Póvoa do Varzim.
Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) refere que a detenção decorreu no âmbito de um mandado de busca, tendo o suspeito de 26 anos sido detido “em flagrante delito”, por se encontrar na posse da pistola presumivelmente usada em 15 de agosto, numa tentativa de homicídio.
A Polícia Judiciária (PJ) acrescenta que o detido, já com antecedentes criminais por condução ilegal, ofensas à integridade física e roubo, “é familiar do autor dos disparos” efetuados na tarde de 15 de agosto e que se encontra em prisão preventiva.
No dia 15 de agosto passado, um homem, de 40 anos de idade, ficou em estrado grave após ter sido baleado por volta das 18 horas no Bairro da Sopete, na Póvoa de Varzim, após uma discussão num café. Na altura, a vítima foi transportada para o Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, e o suspeito andava fugido. Durante quase uma semana, o suspeito, de 28 anos, conseguiu fugir às autoridades. Era procurado depois de ter atingido um homem com cinco tiros. Depois de várias ações de vigilância, a Polícia Judiciária (PJ) do Porto conseguiu deter o atirador. O suspeito foi apanhado quando estava a chegar a um dos esconderijos. Ouvido no dia seguinte por um juiz de instrução criminal, o homem ficou a aguardar julgamento em prisão preventiva. No dia 15 de agosto, a situação foi motivada por um arrufo de café. O cadastrado e outros cerca de 20 elementos da família envolveram-se em confrontos com a vítima, um pescador de 40 anos. O homem acabou por ser atingido com cinco tiros na zona do peito, nas pernas e nos braços.
O suspeito de ter a arma do crime de 15 de agosto vai ser hoje presente às autoridades judiciárias para primeiro interrogatório e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.