Última hora

Dispositivo de Combate a Incêndios prolongado em Portugal até 15 de novembro

3 Novembro 2017
Dispositivo de Combate a Incêndios prolongado em Portugal até 15 de novembro
País
0

Eduardo Cabrita, Ministro da Administração Interna, determinou o prolongamento do dispositivo de combate a incêndios até ao próximo dia 15 de novembro, incluindo meios aéreos, meios humanos e postos de vigia.
Esta decisão resulta da previsão de condições meteorológicas adversas e da manutenção do risco elevado de incêndios florestais por parte do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e do European Forest Fire Information System (EFFIS).
O prolongamento abrange os 17 meios aéreos que reforçaram o dispositivo nos últimos tempos (13 helicópteros ligeiros e 4 aviões médios anfíbios) e os 12 contratados para o período de 16 a 31 de outubro (8 helicópteros médios, 2 aviões pesados anfíbios e 2 aviões médios anfíbios).
Assim, vão estar disponíveis, até dia 15 de novembro, 35 meios aéreos de combate a incêndios em Águeda, distrito de Aveiro, Ourique, distrito de Beja, Braga e Fafe, distrito de Braga, Alfândega da Fé e Nogueira, distrito de Bragança, Castelo Branco e Covilhã, distrito de Castelo Branco, Cernache e Lousã, distrito de Coimbra, Loulé e Monchique, distrito de Faro, Guarda, Meda e Seia, distrito da Guarda, Pombal, distrito de Leiria, Portalegre, distrito de Portalegre, Baltar, distrito do Porto, Ferreira do Zêzere, Pernes e Sardoal, distrito de Santarém, Águas de Moura, distrito de Setúbal, Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo, Vidago e Vila Real, distrito de Vila Real, Armamar e Viseu, distrito de Viseu.
Também o período de funcionamento dos 72 postos de vigia da Rede Primária de Postos de Vigia vai ser igualmente prolongado até 15 de novembro e a GNR vai manter as Equipas de Manutenção e Exploração de Informação Florestal (EMEIF) junto de cada Comando Distrital de Operações de Socorro.
O quadro operacional até 15 de novembro envolve um dispositivo global de 6957 operacionais, entre os quais 3100 bombeiros e inclui, ainda, patrulhamento ostensivo no terreno por parte das Forças Armadas, em articulação com a GNR e a PSP.